The Madness of Thomas Pynchon - Cleber Eldridge

segunda-feira, 9 de abril de 2018

The Madness of Thomas Pynchon

O nome Thomas Ruggles Pynchon Junior já ouviram falar? Thomas Pynchon é um autor americano e para nossa infelicidade pouco conhecido no Brasil, conhecido principalmente por seus livros longos e complexos - às vezes com centenas de personagens e dezenas de histórias paralelas -, Thomas é um dos principais expoentes do romance pós-moderno, ele também é conhecido por sua pouquíssimas aparições em público, pouquíssimas fotos e quase nenhuma notícia. 

O diretor Paul Thomas Anderson um dos melhores diretores da atualidade é um dos leitores de Pynchon, sabe lá como, Anderson conseguiu comprar os diretos de Vicio Inerente (2009) o filme era um policial totalmente confuso, uma verdadeira bagunça, só que longe de ser ruim, justamente o contrário era muito bom, ainda que uma confusão. Por isso, fui até a biblioteca. 

Tudo gira em torno de Larry "Doc" Sportello, um detetive particular viciado em maconha que perambula pela Los Angeles de 1969 atrás do amor, começo da década de 70, e naquela época ser drogadão era muito mais do que fumar uma erva com seus amigos, não faltavam drogas e misturas sinistras pra derrubar qualquer um, ou seja, era um verdadeiro estilo de vida, é quando um de suas muitas ex-mulheres aparecem com um pequeno trabalho para Sportello, dizendo que o atual, um Piccolo Tigre do ramo imobiliário desapareceu misteriosamente, segue ai então, uma verdadeira confusão, são muitas personagens, muitos lugares, muitas situações, muito de tudo.

Todas essas informações exigem que você leia o livro atentamente, porque, caso contrário, você vai se sentir um desses drogados do livro: viajando, enquanto descobertas importantes estão sendo feitas. Pynchon certamente, é um dos escritores de maior conhecimento da atualidade, sei disso porque, em suas palavras existe conhecimento pra tudo, essa ideia de que o autor é um sabe-tudo foi amplamente alardeada pelos veículos, porque o Pynchon sabe falar de penteados afro e a importância do saxofone na evolução da música, por fim não sei muito o que falar do Vicio Inerente, ele é complicado e genial na mesma proporção, como eu mencionei um pouco acima, você precisa ler atentamente o livro se não. Fui até a biblioteca mais uma vez, a escolha da vez foi O Leilão do Lote 49, também do Pynchon.

4 comentários:

  1. Gostei do 'apelo' que fez para que mais pessoas descubram e desfrutem do conteúdo, que me parece ótimo. Nunca consegui focar em livros, sempre fui da leitura na internet, mas depois que passei a produzir conteúdo pra internet isso foi mudando. Hoje escrevo até livro hahaha.

    Beijos do Deivy!
    www.blogdodeivy.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Ainda não tinha ouvido falar dele, mas parece ser ótimo, obrigado por apresentar ;)

    Blog: O Planeta Alternativo

    ResponderExcluir
  3. Gostei da resenha.
    Bom restante de semana!

    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  4. Oi Cleber, eu assisti o filme, que é super interessante. Nunca li nada do Thomas Pynchon, mas agora fiquei super animada para incluir algum título dele na minha listinha eterna de livros para ler. Um abraço!

    Não Me Mande Flores

    ResponderExcluir